Probióticos para Dermatite Atópica – BIDRILAC – resenha

Probióticos para Dermatite Atópica – o tratamento da Isabela

Hoje vou falar sobre o tratamento com probióticos que a Isabela tem feito de abril de 2018 até hoje para tratamento de sua dermatite atópica. Gosto de dividir as experiências sobre isso pois tenho visto quanta gente tem passado por situações parecidas com as que eu passei e passo – hoje em dia eu considero a situação da pele da Isabela bem melhor, graças a Deus!

Em 2018, Isabela foi a 2 médicos em menos de um mês – na pediatra e no dermatologista, para consultas anuais de rotina e controle. Os 2 médicos falaram sobre o tratamento com probióticos quando eu conversei com eles sobre o histórico da Isabela – achei muita coincidência, e estranhei o fato de eu nunca ter ouvido falar nisso em tantos anos de consultas a tantos pediatras e médicos (devido a mudanças de planos de saúde, mudanças de cidades, e algumas insatisfações – especialmente com os dermatologistas que já cuidaram dela – nós já tivemos que trocar de médicos algumas vezes, infelizmente).

Cheguei em casa e comecei a pesquisar, e de fato encontrei algumas pesquisas e estudos clínicos que mostravam alguma melhora ou controle da dermatite atópica – e outras condições de pele como acne e rosácea. Destaco que em nenhum momento os médicos ou os estudos falam sobre cura, mas sim sobre controle, ou pelo menos alguma melhora da qualidade de vida do atópico. E após 1 ano de tratamento foi isso que eu percebi, como vou contar depois.

Probióticos para dermatite atópica - Bidrilac - resenha

Probióticos para dermatite atópica – por que?

O tratamento parte do princípio que o microbioma intestinal é extremamente importante para o nosso sistema imunológico, ou seja, a maneira como o nosso corpo responde aos ataques externos.

O que os probióticos tem a ver com isso?

Os probióticos são organismos vivos que podem ser ingeridos, que farão parte desse microbioma intestinal – do “exército do bem”. Já se sabe que condições de pele como dermatite atópica, eczemas, rosáceas, são causadas por um desequilíbrio na barreira cutânea. Essa barreira cutânea responsável pela defesa e proteção da pele contra as agressões externas tem uma microbiota própria, e o desequilíbrio dessa microbiota fragiliza toda a pele, por isso elas são tão sensíveis às condições do ambiente como clima seco, poluição, calor, frio, etc. Quem tem dermatite atópica ou conhece de perto alguém que tem já sabe que a pele logo reage às mudanças climáticas, seja verão ou inverno. Sem falar na água quente, no suor, tudo pode ser motivo de irritação, coceira, vermelhidão e incômodo 🙁

Detalhe: não confundir probiótico com prebiótico.

Probióticos são encontrados em alimentos como iogurtes, Yakult, queijos. Não existe em cosméticos pois ainda não inventaram uma maneira de manter as bactérias vivas em meio a veículos cosméticos. Prebióticos são o alimento, o que estimula o crescimento dessa flora benéfica, que cria um ambiente propício para seu crescimento e manutenção.

Portanto, quem faz o tratamento pode ingerir PROBIÓTICOS e usar cosméticos com PREBIÓTICOS, se quiser.

 

Probióticos para dermatite atópica – Bidrilac

Depois de ler sobre o tratamento, vi que era uma tentativa fácil – baixo custo, sem maiores sacrifícios para uma criança e sem efeitos colaterais. Eu soube de outras possibilidades de tratamento mas eram caros demais, ou cheios de restrição na dieta, coisa impossível de fazer com a Isabela, que já come pouco e super seletiva!

Neste tratamento, basta inserir uma dose de probióticos específicos por dia, em qualquer refeição, junto com leite, sucos, iogurtes, etc.

Os 2 médicos me passaram algumas opções, e a Isabela experimentu o Bidrilac e o Probiatop. Pela facilidade de encontrar promoções, optei pelo Bidrilac:

Probióticos para dermatite atópica - Bidrilac - resenha Probióticos para dermatite atópica - Bidrilac - resenha

Eu perguntei sobre o uso de iogurtes, Kefir ou Yakult, mas parece que as bactérias mais estudadas são essas presentes nesses produtos.

Probiatop - probioticos para dermatite atopica

 

Probióticos para dermatite atópica – experiência após 1 ano e 2 meses

De fato, não houve cura, mas com certeza houve um fortalecimento da pele da Isabela. Ela começou a tomar Bidrilac em abril, ainda em Niterói. Ela veio para BH no início de maio de 2018, em pleno outono seco e frio (temperaturas entre 13 a 20 graus em vários dias, o que pra ela era bem frio, ainda mais chegando do Rio!). Nessas condições, normalmente a pele dela iria gritar, mas foi um dos invernos mais tranquilos que já passamos. Ela só teve uma crise leve em setembro, e depois em dezembro. Mesmo assim, acho que estava mais relacionado a um relaxamento nos cuidados com os cremes mesmo, pois as vezes vemos que a pele está forte e não protegemos com os hidratantes como deveríamos. Enfim, as poucas crises que ela teve foram bem mais brandas e contornáveis – ela nunca mais precisou usar pomadas com corticóides, que eu costumava deixar para as feridas mais feias. Ela não teve mais feridas que precisassem delas, só aquelas que eu controlo facilmente com óleo de girassol (Dersani).

AQUI TEM: Cremes hidratantes para Dermatite Atópica

O Bidrilac não tem sabor e nem influencia no sabor dos alimentos, isso é fundamental para permitir o uso contínuo. Se tivesse sabor eu acho que dificilmente a Isabela conseguiria usar por tanto tempo, já que é bem enjoada com alimentação (não puxou a mãe nisso, com certeza!).

Onde comprar e preço

Eu consigo comprar Bidrilac em promoções pela internet – tem embalagem com 6 e com 15, eu só compro a de 15, e o preço varia de 20 a 46 reais (os últimos eu comprei numa promoção por 20 reais!).

Probiatop é bem mais caro, a embalagem com 30 custa de 86 a 150 reais.

Mais posts sobre Dermatite atópica no blog

Por aqui eu já dividi várias experiências da Isabela e a nossa saga para enfrentar essa condição de pele, leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe um comentário!

*